20 de fevereiro de 2015

Resenha - O assassinato de Roger Ackroyd


É muito difícil fazer uma crítica ruim a algum livro de Agatha Christie. Se você já teve a oportunidade de ler algum livro dela, sabe do que eu estou falando. Se você não o fez, saiba que seu título de Rainha dos Romances Policiais é simplesmente o mínimo que se pode dizer de suas obras. Eu não sei você, mas eu, particularmente, sempre me sinto intrigada e instigada por suas tramas, pois elas ficam na minha memória por um bom tempo depois de terminar a história. Mas vamos ao que interessa.

Sinopse: Na pequena King's Abbot o suícidio súbito de uma viúva logo espalha rumores de que ela matou seu marido e estava tendo um caso secreto com o bem sucedido Roger Ackroyd. Na noite seguinte, Ackroyd é assassinado em seu escritório trancado, logo após receber uma carta póstuma da viúva, onde confessa que estava sendo chantageada e identifica o chantagista. King's Abbot está cheia de suspeitos, desde o mordomo nervoso, passando pelo enteado rebelde e problemático até a cunhada Sra. Cecil Ackroyd, que mora há anos na casa do irmão de seu falecido marido. Cabe agora ao famoso detetive Hercule Poirot, que estava em King's Abbot incognito e aposentado, cuidando de seu jardim, resolver o mistério de quem matou Roger Ackroyd e porque. Uma tarefa em que terá auxílio do médico James Sheppard, contando ainda com a engenhosa e fofoqueira irmã do médico, Caroline. O Assassinato de Roger Ackroyd é o livro que fez Agatha Christie um nome familiar e lançou sua carreira bestseller.
Fonte: http://www.cultivandoaleitura.com.br/

Minha Análise


O assassinato de Roger Ackroyd trata de um caso investigado por um dos heróis de Agatha, ninguém mais ninguém menos que o ilustre monsieur Hercule Poirot. Hercule Poirot é, na minha opinião, o melhor dos personagens investigativos criados pela autora. É o tipo da pessoa que transmite um ar de inteligência e imponência. Mas não se engane, pois Poirot não é, nem de longe, um personagem convencional. Pelo contrário, nas próprias palavras da autora: “altura, um metro e sessenta e dois; a cabeça, do formato de um ovo, ligeiramente inclinada para um lado; olhos de um verde brilhante quando excitado; espesso bigode hirsuto como costumam usar os oficiais do Exército; e uma pose de grande dignidade.” Suas características peculiares, no entanto, só reforçam a ideia de que se trata de um personagem dotado e muitas “células cinzentas” da maior qualidade.




Achei muito interessante nesse romance, o fato de a história ser narrada em primeira pessoa. A princípio estranhei um pouco, já que não me lembro de alguma vez ter lido uma história dela que não fosse narrada em terceira pessoa, mas assim que terminei o livro entendi que até esse detalhe tinha seu propósito no enredo. A história é contada pelo Dr. Sheppard, o médico da vila local em que Poirot se instala depois de se aposentar. Sua narrativa é muito interessante, já que ele praticamente adota o papel de “Dr. Watson”, permitindo assim que tenha ampla visão da investigação como um todo.



O que mais me intriga nessa história é o fato de chegar aos últimos capítulos da trama e não ter a mínima ideia de quem é o culpado. Claro que, se você já leu alguma aventura de Agatha, você automaticamente é conduzido a suspeitar de todos e, mesmo assim, fico chocada com a descoberta do vilão. Peguei-me olhando para o nada meio desapontada, meio encantada pelo fato de seus romances ainda me surpreenderem dessa forma. 

Onde comprar:

6 comentários:

  1. Oi Thais!!
    Nossa, não gosto muito da Agatha, sempre acho que os livros dela não andam e eu demoro DIAS pra terminar de ler, mas deve ser um problema pessoal com ela hahaha
    Não sei se leria esse livro, apesar de gostar desses que a gente nunca sabe o que vai acontecer ou quem é o assassino, disso eu gosto!!
    Beijos

    http://lumartinho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lumartinho!
      Poxa! Você é a primeira pessoa que m diz que não gosta da Agatha! rsrs.. Mas tudo vai do gosto né? Eu acho legal o fato de cada detalhe aparentemente insignificante tenha sua função para o desfecho final. Isso pra mim compensa alguma possível "lentidão" na história. =]
      Com certeza as histórias que você não faz ideia do que vai acontecer são as mais cativantes!

      Beijos

      Excluir
  2. Acredita que nunca li nada da Agatha? Dá até vergonha de falar. E o pior é que eu adoro literatura policial, mas ainda não tive a oportunidade de dar uma chance pra rainha haha. Esse que você resenhou parece ser muito bom, fiquei super curiosa.

    Beijo.
    www.tendadoslivros.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daiana! Não acredito que você nunca leu nada dela! Que crime! rsrs... Esse livro que eu resenhei é ótimo mesmo, mas já que você ainda não leu nada dela, gostaria de te recomendar o primeiro livro que li da Agatha. Chama-se O caso dos Dez Negrinhos. É excelente! Fiquei pasma por uns bons dias. Até minha irmã ficou chocada quando eu contei a história e olha que ela nem leu o livro! rsrs

      Você vai gostar muito dessa autora!

      Beijos^^

      Excluir
  3. EU AMO OS LIVROS DA AGATHA! OMG!
    Eu comecei a gostar de ler por causa deles. A diretora da minha antiga escola me emprestou um livro e eu fiquei fascinada pela história.
    Minha vontade é de comprar todos os livros e fazer uma coleção aqui em casa. Os livros são maravilhosos!

    www.viajantedosonhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Melissa!!
      Nossa eu também sou fã dos livros dela. Quisera eu ser tão criativa quanto ela! Seus livros sempre me fascinam!
      Quando completar sua coleção me mande uma foto ok? ^^

      Beijos, obrigada pela visita!

      Excluir

© Tempo de Opinar | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger.